Mudança contínua ou morte


A minha avó, que viveu até os 85 anos, usou óculos por mais de cinco décadas. Nunca foi a um oftalmologista, exceto já bem velhinha, quando eu mesmo a levei. Uma única consulta, um único par de óculos feitos sob receita, em toda a vida. O que ela fazia? É simples: segunda filha mais velha entre 14 irmãos e irmãs, ela tinha uma vida social em família bem intensa. Sempre que visitava uma das irmãs, perguntava a ela se havia trocado os óculos, se eram novos. Se fossem, pedia os velhos emprestados. E usava até a próxima visita.

Leia Mais